Bem Vindo

A sua chegada a esse espaço virtual de investigação científica nos alegra e nos orgulha, por termos a oportunidade de oferecer mais um meio e talvez mais uma possibilidade de refletir como a vida planetária, pode ser tratada com dignidade e responsabilidade.

O Laboratório Educação da Emancipação “LEEMA” foi gerado e se constitui como processo organizativo ininterrupto e inacabado, para possibilitar encontros e diálogos de saberes, com consciências apaixonadas pela vida.

Sim, apaixonadas e vibrantes. Palavras estranhas ao rígido e muitas vezes insensível e dogmático aparato da academia positivista, imperial e imperialista.

Sim, apaixonado e vibrante, por darmos voz às vozes e pensamentos contrários ao estabelecido com o foco de agir, com muita responsabilidade científica, com base em diferentes abordagens de geração de conhecimentos, muitas delas desacreditadas ou postas de lado, com base em argumentos carregados com forças e poderes, dos que defendiam e defendem suas zonas de conforto, as quais mais estagnam do que dinamizam os processos de criação e geração de novos saberes.

Sim, diferentes forças e poderes reinam e comandam a academia e os processos investigativos, conduzindo-os muitas vezes para um falso reconhecimento e uma subserviente obediência e submissão. São forças e poderes que não evidenciam o confronto com a marca originária do processo científico anunciado por Descartes, ao lançar a afirmativa “COGITO ERGO SUM”.

Sim, “Cogito Logo Sou Humano”, essa é a correta tradução desse dístico, a qual habitualmente é substituída pela afirmativa também de Descartes, “Penso Logo Existo”, totalmente deslocada de sua posição originária.

COGITO ERGO SUM, aponta para a perspectiva do humano se caracterizar pela capacidade de cogitar, o que significa querer saber mais, refletir sobre algo, estabelecer em que conjuntura um pensamento se coloca como referencial, assim, compreendemos Cogito Ergo Sum como “Sou humano na medida em que me reconheço como ser capaz de cogitar”. Em contrapartida o dístico “Penso Logo Existo” tem a representação de que, “Sou humano ao pensar e duvidar, pois assim, tenho consciência de a existência ser única e insubstituível”.

Com essa perspectiva, o LEEMA se organiza com o propósito de buscar por meio da fenomenologia, uma abordagem de investigação e pesquisa científica, que se diferencie da convencional, na medida em que amplia o seu espectro de alcance, buscando em fontes marginalizadas pelo status quoo. Esses argumentos podem se apresentar amparados em processos e saberes ancestrais e culturais, os quais, apesar do ostracismo, conseguiram viabilizar vida emancipada por muitos milênios em nosso planeta.

Essa posição não defende a via de que essas posturas estiveram sempre carregadas de belas e dignificantes intenções, pois sabemos que guerras e disputas por poder, fazem parte da história de muitos povos e nações. Assim, o desafio que apontamos é o de buscarmos as raízes de seus saberes, para organizarmos algo que a humanidade desde sua origem sonhou, e talvez não tenha conseguido, que é o de direcionar a existência para um viés de emancipação da vida, entendendo progresso como vida boa e bonita para todos os seres e não vida plena e consistente, para o que garante o poder de um grupo, que se impõem sobre os demais, com processos tirânicos de dominação e de silenciamento.